quinta-feira, 25 de junho de 2009

Excel vs. Emule

Ontem era para cá ter vindo, só para dizer que tinha chegado bem a Constantine, mas não consegui utilizar a net; os meus colegas do Brazil estão a utilizar duas ferramentas informáticas, que parece que vão revolucionar o mundo informático nas obras: o Emule e o Azureus...

Parece-me também, que o msn e o orkut vão ser essenciais para conseguir acabar esta obra dentro do prazo e dos custos esperados.

Os tótós de Portugal, continuam a usar coisas ultrapassadas como o Excel e o Autocad...

quarta-feira, 24 de junho de 2009

A tocar...



Isto de andar arredado de internet's decentes faz com que fique desactualizado de música...na minha directa desta semana, a MTV acompanhou-me e mostrou-me esta "grande malha"

terça-feira, 23 de junho de 2009

Liberdade...

Amanhã, por esta hora já estarei fora dos portões de Guantanamo.

Ainda não é a desejada viagem para Portugal, mas uma mini-tournée pela Argélia, com passagens por Constantine, Argel e Oran como destinos conhecidos, e uma passagem por Tlemcen, que ainda não conheço.

Voos atrasados, cagaços no trânsito e uma desorganização geral já sei que são garantidas; o que vier de bom a mais, é "tudo lucro".

Tenho de aproveitar esta saída, para ir aos souvenirs...

Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Por muito bem que faça o meu trabalho, enquanto houver carpinteiros, há-de sempre haver marteladas nos dedos.

Há pouco esta em obra, e assisti a mais um destes eventos; normal por aqui. Mas hoje, assisti de perto e estranhei uma coisa: estes tipos quando martelam um dedo não dizem asneiras!

Perguntei o que diziam quando falhavam o prego e acertavam no dedo, e a resposta foi um seco "Ai!". Na teoria, os argelinos não dizem asneiras embora haja na língua árabe o mesmo vernáculo que há em Português.

Ainda tentei explicar, que com um "Ai!", a dor não desaparece, nem diminui; ensinei que se deve ofender a mãe do martelo, falar de actos e órgãos sexuais, mas nada. Para eles um "Ai!" é suficiente para liberar a dor...

Para mim, martelar um dedo e não dizer o rol completo de asneiras, é algo de impensável...

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Tempo...

Hoje deu-me a nostalgia quando olhava para umas fotos que a minha dona me enviou; é normal quase todos os dias olha para as fotos da pequenita, e sentir saudades. Mas hoje bateu mais...

2009 vai com 173 dias; desses apenas 15 foram passados em Portugal, fins-de-semana foram 2...é em dias assim que me ponho a pensar se vale a pena andar aqui =(

Finito...

Vou para a barraca!!!

Night Shi(f)t

Não é normal escrevinhar aqui nada a estas horas...pois estas horas são horas de dormir; amanhã o despertador vai tocar à mesma às 6 da matina...

Como não estou com insónias, nem há mulheres por cá, só podia mesmo ser trabalho...

Por ser um cromo bem-comportado, que se preocupa mais com a empresa do que ela se preocupa comigo, calhou-me estar em horas-extra (não pagas, claro; sou um executivo e tenho isenção de horário...), cá estou eu e outro como eu, a fazer com que a empresa ganhe mais uns milhõeszitos de dínares.

À tarde pediram-em se podia tirar umas cópias de uma documentação (umas 500 folhas), pois aos locais nem essa simples tarefa se pode pedir: desde cópias a menos, a folhas furadas ao contrário, conseguem de tudo um pouco.

Como estamos a falar de uns trocos valentes (tipo 9 milhões de aérios), lá acedi...

Correu tudo optimamente bem, até à 10 cópia, altura em que a ma´quina disse: "Já chega!"...como isto tem de estar pronto amanhã, a solução foi: scanner! folha a folha...

Num país normal, ia-se até ao Office Centre ou coisa parecida e ficava feito na hora, aqui alomba-se até às tantas.

Num país normal, a esta hora, como ainda há que fazer, parava-se meia-horita, e em qualquer lado íamos arranjar maneira de ir comer uma bifana ou um cachorro; isto sim, a esta hora ter de comer umas bolachas e um iogurte faz-me ficar piurso...

Resta dizer que o meu trabalho está em riscos de ir para o tecto, pois o colega ao lado já chamou todos os nomes feios em português e árabe que conhece, a pelo menos 3 impressoras...

Resta dizer que o chefe do departamento interessado, foi para casa cedo...mesmo a seguir a ter acabado o jogo Brasil-Itália...

sábado, 20 de junho de 2009

Colchões



Se há coisas que proliferam por toda a Argélia, são as lojas de telemóveis e as lojas de colchões.

Se dos telemóveis ainda percebo (um dia explico a minha teoria da penetração dos telemóveis em países desorganizados), já a dos colchões não entendo.

Comprar um colchão é sinal de aumento do agregado familiar ou trocar por um velho. Como por aqui não vejo grávidas, suponho que muitos dos colchões que por cá existem devem ser do tempo dos franceses...coisa que já vai para cima de 30 anos!

Em toda a pequena aldeia, há uma loja de camas e colchões, normalmente expostos na rua ao sol e ao pó, tipo prova de esforço para mostrar a qualidade do material.

Esta foto é de uma das ruas principais de Jijel, e pela quantidade da carga, esta carripana deve ter como destino o Continente dos colchões cá do burgo...

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Redouane Arbá, Redouane Sbáa

Parece-me que o Redouane Arbá vai levar uma reprimenda... o Redouane Sbáa está a chamá-lo há mais de meia hora e ele não dá resposta...como ainda não há sinais de invasão, depreendo que o Rdouane Arbá deve estar a fazer uma sesta..

Eu explico: aqui em Guantanamo, temos os nossos rádios de obra, na mesma frequência dos guardas da obra, Redouane é o nome de código entre eles (original como o raio...), e o Arbá é o posto de observação 4 e Sbáa é o nº 7.

De tempos a tempos, há uma chamada a cada posto, para darem resposta, mas o 4 deve estar a cochilar...

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Champomy

Não foi mas podia ter sido...

Há uns dias atrás fizemos uma inauguração interna da barragem: os dias andavam pesados e finalmente parecia haver alguma coisa para celebrar e lá fomos para cima do monte de betão que fomos fazendo ao longo dos últimos 2 anos.

Em todos os sítios normais, a inauguração faz-se com champanhe (ou espumante se for um sítio normal, mas pobrezinho). Pasmem-se se eu disse que aqui não usámos só champanhe... Como seria de esperar, a Argélia não é um sítio normal, e como os nativos insistem em dizer que não bebem, lá tivemos de puxar das garrafas de Sprite roubadas à cantina do Nordine.

Impressionante que há gajos tão casmurros que nem na caixa das garrafas do champanhe puseram as mãos...deve ser pecado!

A ocasião fazia lembrar as festas de aniversários das crianças: os graúdos passam a tarde a encharcar a vela com o champanhe, e para o fim da tarde os putos lá ganham o direito a um brinde com o Champomy, em que uma garrafa dá para 40 putos, só mesmo para sentir as bolhinhas...

Fica a prova do crime:

Ainda tentei saber que bebida pagavam às meninas nas casas da noite, mas fiquei sem resposta...

Para a posteridade fica a foto dos encarcerados:

Ali dos lados esquerdos da foto está um gajo careca e mal-encarado parecido comigo...

quarta-feira, 17 de junho de 2009

MSN

Acabei de adicionar um argelino no meu msn...

Said - put@ que pariu isto...

Portugal e Argélia em grande!!!

terça-feira, 16 de junho de 2009

Em contagem decrescente

Ainda não é a contagem final dos 10 ou dos 5 dias para voltar à civilização, mas começou hoje a contagem de 1 mês. Pois é, daqui a 1 mês por estas horas já estarei de volta a Portugal, para 3 semanitas ZEN, ou talvez não...

Uma coisa é certa: por muito fanhosa que seja uma semana em Portugal, será sempre uma semana em Portugal...

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Brock you fockers...



Quando pensamos que encontrámos algo muito mau...irá sempre haver algum português a residir em França que nos contraria...

Que raio passa na cabeça de um tipo que para além de fazer esta figura à frente dos amigos, tem depois a coragem de por o vídeo na net??

Tempo demais na Argélia...

Chego a esta triste constatação após ter estado grande parte do dia a ouvir música local... e não ter desgostado de todo!

Por aqui, hoje já passaram os grandes sucessos de Cheb Redouane, Dj Nassim Abbes, Elissa e afins...

As músicas são quase todas iguais: não percebo nada das letras, e as vozes são sempre cheias de efeitos, fazendo um misto das vozes dos Chipmunks e dos últimos álbuns da Cher, e sempre com a batida pimba (finalmente percebi de onde vem a inspiração do Emanuel).

E ainda falta 1 mês e 1 dia para voltar à civilização...até lá um mundo mágico de transformações pode acontecer: deixar de tomar banho, não mudar de roupa, fugir do trabalho e todas as maravilhas de ser argelino...

domingo, 14 de junho de 2009

Marlboro marado

Quando aqui cheguei, uma das coisas que mais gostei foi de ver (e comprar) Marlboro a cerca de 1,20€...imaginei que fosse como o resto das coisas à venda neste país: contrafeito ou de origem duvidosa, na maior parte da China.

O tabaco aqui, e principalmente por estar fechado em Guantanamo é comprado ao volume, às vezes aos 2 e 3 de cada vez.

Este último lote que comprei está especialmente fanhoso, de tal maneira que a minha língua está meia cortada e os lábios idem.

Começo a ter saudades do Marlboro que se compra a quase 4€ em Portugal...isto se não aumentou nos últimos 2 meses

sábado, 13 de junho de 2009

Torre de Babel

Engane-se quem pensa que por estes lados, só existem portugueses e argelinos; a mescla de raças e de línguas por cá é uma caldeirada: se até os argelinos não se entendem uns com os outros imaginem o cocktail juntando os seguintes ingredientes:

- 13 tugas;
- 1 espanhol;
- 1 italiano;
- 1 francês;
- 1 marroquino;
- 6 brasileiros;
- 9 húngaros;
- 1 colombiano;
- 2 franceses;
- 300 argelinos;
- 1 alemão;

Entre a normal curiosidade para saber os palavrões das outras línguas, resta dizer que as palavras mais ditas por cá são o "F___-se" e o "Put@ que pariu".

Entre os argelinos já começa a ser normal ver discussões de trabalho, rematadas com o "F___-se", ou um motorista que vê uma barbaridade qualquer na estrada e solta um tímido "Put@ que pariu".

Os mais liberais, já se riem; os mais radicais, continuam a arrepiar-se sempre que ouvem alguma destas, inclusive oferecendo-se para fazerem uma oração por nós e pela nossa salvação...

Uma coisa é certa: para além da obra feita, deixamos também um legado cultural muito rico

sexta-feira, 12 de junho de 2009



A imagem do dia de hoje é semelhante a esta; a diferença é que no lugar da jeitosa de lingerie, estou eu de calções de banho e sem o aspersor de rega... o que é o suficiente para se tornar num cenário bem mais deprimente que este...

A Argélia faz muito mal...

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Pitéus Argelinos

A primeira grande aventura gastronómica por cá foi um agradável arroz com palito... na altura ficou um aviso.

Hoje foi um belo bife de peru grelhado à lá barata...

O próximo está decidido: Prato de vidro na cabeça do Abdellmallek... aposto que ele vai gostar...

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Argélia 3 - Egipto 1

O país lá parou para ver a bola, e lá tiveram uma alegria; os tipos não são maus de bola, pelo contrário...

Ver um jogo destes, entre os nativos é de rir: abraços, beijos, saltos aos abraços, saltos aos beijos, etc.

Como disse ontem, os terroristas também fizeram gazeta à maldade e foram ver a bola, deixando os guardas do estaleiro à vontade para ver o jogo...não deviam estar muito à vontade pois levaram as armas com eles, e a determinada altura, tipo no 3º golo, a coisa estava a proporcionar-se para correr mal: muito salto, muito abraço e muita arma carregada num espaço pequeno...

Foi também a altura que achei que era melhor passar para o 3º anel lá do sítio em ver o resto em segurança...

Engraçado, após o jogo que se fartaram de disparar para o ar: estranha forma de celebrar...sobretudo por que insistem em não fazer a folha aos javalis que passam no perímetro do estaleiro, pois as balas estão contadas e vão ter problemas... ontem deviam estar mal contadas.

E nós, continuamos a ver as vedações derrubadas pelo nosso petisco!!!

Resta também dizer, que o senhor que dá aos pedais para fazer a Internet funcionar, também deve ter tirado o dia para comemorar: só tive net agora à noite, e porque saí de Guantanamo...

Imagino o dia de hoje, se isto fosse povo de beber...

domingo, 7 de junho de 2009

Argélia-Egipto

À hora que escrevo este post, decorre o intervalo do jogo Argélia-Egipto; se a Argélia ganhar a estes rivais (acho que é tipo um Sporting-Benfica da 2ª circular árabe) parece que vai ao mundial, ou pelo menos fica com grandes chances disso.

Um bocadinho à semelhança de Portugal, nos tempos em que a selecção jogava alguma coisa de jeito e dava 7-0 aos países do Leste da Europa, o país aqui está para...pelo menos em Guantanamo!

O turno da noite avisou que só vinha se pudessem parar para ver a bola, o que me parece que é esticar a corda, já que a obra está para acabar, e o turno do dia, correu ainda mais depressa do que nos outros dias para sair do trabalho!

Parece um país que eu cá conheço...

Felizmente os terroristas também devem estar de roda da TV, e não vai haver atentados e ataques (nos outros dias também nunca houve), pois os guardas estão todos da ver a bola...

E eu???

Vou ver a 2ª parte no meio dos argelinos, a ver se consigo por algum a beber uma cerveja se a Argélia ganhar...mas não tá fácil...

sábado, 6 de junho de 2009

Contas de cabeça

Falar da selecção era perder mais um pouco do meu precioso tempo...já bastou sofrer com aquela miséria que durou hora e meia...

Uma das maneiras que vou usando para manter a sanidade mental por cá é contar os dias, de maneira a que esteja sempre mais perto do dia de me pisgar, do que do dia que cheguei...

As estadias por cá são de 90 dias(embora desta vez me tenham oferecido 2 de bónus...), e a grosso modo, se chego no dia 1 de qualquer mês, pisgo-me do inferno passados 3 meses;

Hoje cumpro mais uma meta: cheguei a 16 de Abril, portanto, hoje, dia 6 de Julho, ficam a faltar apenas 1 mês e 10 dias para o fantástico 16 de Julho...

É uma maneira meio estranha de jogar com as datas, mas vai dando para entreter a cabeça, pensando sempre que falta pouco...

O Magalhães Leproso

Quando no mundo civilizado se fala em lepra, fala-se de uma doença dos antepassados e que hoje em dia, está praticamente erradicada. Isto em países civilizados; na Argélia a conversa é outra.

O meu Magalhães (conforme eu carinhosamente chamo ao portátil que me foi atribuído) está com lepra: está a perder as teclas a um ritmo que preocupa. Começou pelo 0, coisa que não preocupa muito pois não trabalho com números, e agora está a alastrar-se ao M.

Coisas do caraças: uma doenças dos tempos idos, a atacar o símbolo do choque tecnológico e da inovação do nosso José...(era para lhe chamar Eng. de Fim de Semana, mas ainda me lembro do outro e o que lhe aconteceu à conta dos comentários jocosos)

Reparei nisso, pois a minha escrita parecia os testes de um antigo professor de Matemática, ao qual lhe faltava a ponta do dedo indicador, em que por muitas vezes nos enunciados faltavam M's, e outras que mais, que as pessoas que já usam um teclado sem ser um funcionário público que só sabe escrever com 2 dedos e na base da porrada. Tipo máquina de escrever...

Nada que o canivete mágico não resolveu, tal como se nota no texto acima...

A ver quando voltar a Portugal (arrrrghhhh falta tanto para 16 de Julho)

sexta-feira, 5 de junho de 2009

JB Talking

Aproveitei a 6ª feira (domingo nos países como a Argélia) para fazer aqueles trabalhos mais manhosos, daqueles que não gosto de mamíferos a entrar e sair constantemente, e que gosto de estar sossegado...

Na sala lá mais à frente a conversa vai animada: hóquei em patins, mulheres, um eventual rebentamento da barragem de Castelo de Bode e os seus efeitos, etc., etc.

No meio da mesa, a garrafa de JB 1 Litro, que já esteve cheia...

Ao menos a noite vai ser mais sossegada...espero eu!