quinta-feira, 19 de novembro de 2009

T-35


Nunca mais é dia 23 de Dezembro... F£$&-se

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Amares Freak Show

Não costumo postar aqui coisas que recebo no email, porque provavelmente as 3 ou 4 pessoas que por aqui passam também têm email, e concerteza que recebem as mesmas coisas que eu...

Mas esta é especial!

Juntar no mesmo espaço de diversão nocturna o Castelo Branco, Pomba Gira, Jel e Emplastro, é uma ideia tão idiota que nem na Argélia faria sentido.

Parlapiê à parte, deliciem-se com as imagens...




Fica o excerto da notícia (ok, é do Correio da Manhã...)


"Descontraída, sem pudores e sem limites. Foi assim que Linda Reis, também conhecida como Pomba Gira, se apresentou na discoteca Lagar’s, em Amares, nos últimos dias. A festa, intitulada ‘Uma noite do outro mundo’, acabou por surpreender todos os presentes.
Linda Reis protagonizou a performance mais peculiar. Depois de mostrar os seus dotes a dançar de forma sedutora para os homens enquanto tirava toda a sua roupa, a Pomba Gira terminou o seu espectáculo a fazer sexo oral a um desconhecido. Fernando Rocha e Jel, outros convidados da festa, ficaram perplexos com o cenário.
'Não estava nada à espera que uma mulher gorda e feia se começasse a despir. Mas, se repararmos, esta é uma forma de fazer comédia muito antiga. É o sexo de baixo nível', revelou Jel ao CM.
Linda surgiu no ‘estrelato’ pelas mãos de Herman José e esta noite de sexo não o chocou. 'É a sua maneira de ganhar a vida, as pessoas divertem-se que nem umas doidas, só lá vai quem quer, e não reconheço a ninguém o direito de se armar em arauto dos bons costumes.'
SEXO
Com a descontracção que lhe é característica, Linda Reis foi ao público escolher um homem, baixou-lhes as calças e fez-lhe sexo oral. O 'sortudo', entretanto, não mostrou entusiasmo com a performance.
'AQUELA CENA FEZ-ME MUITA CONFUSÃO'
José Castelo Branco, que foi convidado para apresentar o evento, confessa que se tivesse tido conhecimento da actuação de Linda Reis 'tinha pensado duas vezes antes de aceitar'. Para o rei do jet-set o momento em que a ‘Pomba Gira’ se despiu 'foi a ausência total de estética'. 'Quando cheguei, aquela mulher disse-me que eu ia ver o striptease da minha vida. Aquela cena fez-me muita confusão. Foi um choque. Foi uma verdadeira festa do outro mundo. Nunca tinha visto nada tão bizarro na vida', diz Castelo Branco.
COMÉDIA
Jel e Emplastro ficaram perplexos com ousadia sexual de Linda. Jel nunca pensou que 'uma mulher feia e gorda se despisse'.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Another fine day at the office


As maravilhas de trabalhar ao ar livre...

domingo, 8 de novembro de 2009

Vida de cão...

Nas palavras dos Ena Pá 2000, vida de cão, é escorregar num c@g@lhão...

Por cá, as minhas recentes amigas e sombras no estaleiro, não podem reclamar muito: ainda há gajos muito tóinos que pagaram uma martelada de excesso de peso na bagagem, para trazer ração para as canitas.

Depois de acabar o último stock que trouxe de Portugal, iniciei uma odisseia para conseguir comprar comida de cão na Argélia... ao fim de quase 1 mês, lá encontrei um estabelecimento que se assemelha a uma loja de produtos para animais, e lá comprei um saco de Purina (são finas estas cadelas rafeiras da Argélia).

Paguei 1/4 de um salário de um servente argelino, por 9 kg...






Resta-me então apresentar as minhas 2 amigas:




Andrade: é a minha sombra. Vai atrás de mim por toda a obra, e espera sempre à porta do contentor. Fico com um aspecto especialmente bera e temível, sempre que ando acompanhado desta fera...



Zagope: o típico cão rafeiro, vai atrás de mais ou menos toda a gente que lhe oferece comida, e sabe a que horas a malta come para ir atrás dos restos. Quando acaba a comida dela, diverte-se a esmordaçar a outra, até se fartar e deixar a comida para ela...

Como eu costumo dizer montes de vezes, a Argélia e os argelinos não são normais; prova disso é a maneira como tratam as cadelas.

Os muçulmanos tradicionalmente gostam de animais e tratam-nos bem (ok, pronto há a excepção do degolar os cabritos, mas pronto, nós também temos as touradas), excepto os cães, que por algum motivo eles não gostam.

O normal seria andarem à pedrada e ao pontapé às minhas amigas, mas pelo contrário; há por aqui alguns que pouco têm para comer, mas que o dividem com as canitas...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Carrinhos de choque

Parafraseando o nosso chefe de cá, e uma das suas tiradas mais usadas em que "há de tudo na Argélia, igual a Portugal", descobri hoje mais uma diferença: carrinhos de choque!!!

Em sítios normais, os carrinhos de choque, são acompanhados da música mais irritante do momento, com mais batidas por minuto e no máximo de decibéis possível...

Por cá, ouve-se:


























Nada!!!

Carrinhos de choque em silêncio, nem mesmo um "speaker" irritante, com "mais uma fciha mais uma viagem" ou "faxavor de evitar os choques de frente".

A única semelhança, é mesmo o aspecto dos arrumadores: estilo gangster sem banho!


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Eu tenho um dálmata

A última compra de DVD's para a pequena foi um filme dos 100 e qq coisa dálmatas.

Agora ouvem-se latidos ao longe, sempre que telefono.


É assim que vale a pena ser criança...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

15 minutos de fama...


Um passarinho lá para os lados de Lisboa, disse-me que esta foto, está publica num folheto da empresa, que é nada mais nada menos, que o folheto com a previsão do lucro da empresa para 2010.

Quer isto dizer que esta foto manhosa, tirada mesmo para a pinta, anda a ser vista pelos tipos da massa, vulgo accionistas, e que neste momento aposto que se perguntam quem é o tipo bem-parecido de colete fluorescente, para oferecerem um belo aumento...

E assim são os meus 15 minutos (ou talvez mais uns quantos) de fama :)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Argélia vs Tunísia

Destes 3 dias passados do lado direito da Argélia deu para entender 2 coisas: o problema destes povos não tem nada a ver com a religião, e principalmente que o turismo desenvolve muito mais um país que o terrorismo...

Do lado tunisino, não sendo ainda um país 100% normal (tirando Portugal será que há mais algum..lol), mas que para lá caminha.

O simples facto de passar a fronteira é uma diferença brutal: do lado argelino, foram 3 horas da maior anarquia, berros, falta de organização e limpeza... do outro lado foram 15 minutos completamente diferentes; ninguém fala alto, e toda a gente respeita a sua vez pacientemente! Chama-se educação, coisa escassa deste lado da fronteira...

Nos 3 dias passados por lá, ninguém nunca reclamou ou olhou de lado para as milhentas fotos que se tiraram(sempre eram 9 tugas, as mulheres podem ir aos cafés, e sobretudo, têm um ar mais feliz que as coitadas das argelinas.

A Tunísia gosta de ter as suas casas acabadas, e não em tijolo como por cá e aparentam já ter alguma coisa semelhante a um PDM.

A Tunísia também gosta de ter as ruas limpas, e não deve gostar de esgotos a céu aberto a descarregar directamente no mar.

A Tunísia pareceu-me não gostar de ter centenas de acidentes diariamente, por isso a Policia multa e tira cartas fora; por lá, vi ainda muita ultrapassagem como vejo por cá; ao perto dava para ver os DZ's (Djazair - Argélia em árabe) nas matriculas dos Fittipaldi's.

Não sendo um exemplo de país, comparando com os nossos na Europa, a Tunísia está muuuuito mais perto de 2009, que a Argélia, que ainda anda por volta de 1430 (ano árabe).

Deste lado faltam 2 coisas: muita educação e alguma repressão...mas lá está, enquanto o gás der para tudo, nao estou a ver o estado muito interessado nisso. É mais fácil comparticipar o leite e a farinha, que fazer este povo entrar na linha...

Annus Horribilis - a continuação

O Sporting continua a fazer-me a vida negra na Argélia...continuo a ser uma peça única, no que diz respeito a clubites.

Pelo menos há que apontar, a maneira "à homem" que a malta usou para protestar no fim do jogo: se é para reclamar, nada melhor que entrar pelo estádio dentro para cascar em treinadores, jogadores e dirigentes!!!

Rasgar o cartão de sócio é à menino...

Voltei...

Pois é... já estou de volta da Tunísia. Com muita pena minha, mas voltei... porra do trabalho que não se faz sozinho...