sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Djebel El Ouahch

Ou as "montanhas do monstro" (lê-se djebel uesh, e é uma palavra curtidissima de dizer)!

Foi o sítio de escape de hoje, para ir ver a neve. Fica a menos de 20 km de onde vivo, mas demora-se o mesmo tempo que para chegar à França, pois os Argelinos são uns tipos porreiros e gostam de fazer filas.

Foi em tempo uma reserva natural e tinha um parque de diversões, mas há quase 20 anos os terroristas queimaram tudo. Entretanto deixou de haver terroristas, mas a Argélia ainda não teve tempo nem dinheiro para voltar a arranjar. Têm andado mais entretidos a ser corruptos e a brincar às obras. É pena, por que tem um potencial enorme para o turismo...

Para variar, todos os sítios agradáveis na Argélia, são estragados pelos Argelinos: ou pelo lixo que deixa, ou apenas pela presença selvagem que têm.

Desgraças à parte, ficam as fotos:






quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Tombe la neige

E diz que a culpa é minha, pois trouxe o frio da Inglaterra...

Os esforçados argelinos do escritório já estão a avisar que vão ter de sair mais cedo, por que a neve vai bloquear as estradas...

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Viva o Sudão



E o respeito pelos direitos humanos, em especial com as mulheres...

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Eu gostava muito

deste blog :Mail de um louco.

Para lá da controvérsia de plágio de um americano qualquer (a que nunca liguei muito), tinha efectivamente tiradas de louco/génio.

Entretanto saiu o livro, e agora limita-se a ser uma masturbação de ego próprio "Eu apareci no jornal!", "O meu livro é um sucesso!" e por aí fora...

Temos pena...

MAR 35 - O "SIM" responsável

Mas afinal o que é o "MAR 35" o tal "SIM" responsável? Tem sido a pergunta mais feita ao longo do dia no meu msn (tipo 2 pessoas), e agora fica a resposta.

O MAR 35, é um movimento que ando a pensar em criar, que legaliza o aborto. MAR 35 são as iniciais de "Movimento pelo Aborto Retroactivo até aos 35 anos", e tem a ver com a quantidade cada vez maior de desilusões que vou apanhando com as pessoas. Este movimento pretende ir um pouco mais além das 10 semanas de gestação actualmente legais em Portugal, e chegar aos 35 anos de idade.

Os cromos do cartaz (nota-se que sou um às no Paint) são apenas exemplos, mas são o target deste movimento: gente que fala com árvores, que viram casacas, que usam demasiado gel ou pura e simplesmente não se mancam das figuras que fazem...

Partilhem :)


e pronto, lá foi o momento non-sense do dia:)

domingo, 12 de dezembro de 2010

Neboshing

Nestes últimos dias tenho andado mais ausente que o normal, pois andei na terra do príncipe Orelhas(o Carlos da Inglaterra, não o dono do Benfica) para tratar de me cultivar um pouco mais.

Fui então tratar de fazer um exame, de uma coisa chamada NEBOSH, que é a grosso modo a mesma qualificação que tenho em Higiene e Segurança, mas reconhecido em todo o mundo. Excepto em Portugal, claro, pois somos um país de vanguarda...

Nunca tinha ido àquela ilha e não desgostei: acabei por não conhecer de Londres mais que o terminal 4 do aeroporto de Heathrow e algumas das variantes à volta graças ao meu sentido de orientação acima da média, ajudado por um GPS que esteve por várias vezes na eminência de voar pela janela fora.

Da Inglaterra, que mesmo não sendo muito normal (conduzem do lado errado da estrada e usam partes do corpo para tirarem medidas) só posso dizer que é um país completamente diferente da magnifica Argélia: as pessoas são educadas, os condutores não se transformam em perfeitos anormais assim que se sentam nos carros, as cidades estão limpas. Há duas coisas chamadas educação e civismo.

As poucas semelhanças estão no facto de se comer muuuuito mal também, ainda para mais caro como o raio. O café, nos moldes normais que conhecemos é também coisa rara: o normal é ser um balde de meio litro (aliás, fiquei com a ideia que a medida mínima para os líquidos é mesmo o meio-litro). O que por cá são lojas de telemóveis, que nascem como cogumelos, em Inglaterra são lojas de tatuagens: há uma em cada esquina.

Como seria de esperar, havia outros tugas também a fazer o exame: nós somos efectivamente pior que uma praga, estamos mesmo em todo o lado :)

Fotonites:

O ar de pânico por fazer um voo intercontinental na Air Algerie... Voo este que ia perdendo, pois esqueceram-se de anunciar o mesmo nos ecrãs do aeroporto: o que vale é que na Argélia os aviões esperam sempre por nós :)

O inicio de uma bela aventura de quase 800 km em contra-mão. Notei que toda a gente tem um GPS, e pensei que fossem lerdos como por cá que andam sempre perdidos, mas não, tem uma explicação muito simples: há speed cameras por todo o lado e a menina que vive dentro do aparelho avisa a grande maioria delas.

No mesmo dia, e praticamente há mesma hora, em Constantine estavam uns anormais 28º...sim é já estava escuro, mas como às 16:30 já é de noite...

O hotel: além de fazerem casamentos a meio da semana, éramos os hospedes mais novos, e uma vez por semana fazem reuniões da Tupperware, seguido de baile das velhas :)

A visita ao fish & chips não podia faltar: eu como sou menino, poupei o meu colesterol a mais uma tortura e fiquei por uma maratona de fast-food :)

Algumas fotos de Hull, a cidade onde fui fazer o exame:








Não sendo propriamente uns tipos originais no que diz respeito a arquitectura moderna, tem uma grande vantagem:  o urbanismo é uma coisa fácil e que que resulta bem. Dá uns ares de Argélia por causa da cor do tijolo, mas em Inglaterra as casas estão efectivamente acabadas.

E para acabar com o spam de fotografias, uma foto da ponte sobre o rio Humber: é semelhante em tamanho e tipo de estrutura à nossa 25 de Abril, mas em betão. É um colosso; a que estou para fazer é mais ou menos parecida, mas vai ser linha África :)




E por agora chega: tenho de ir voltar a reformatar o meu cérebro para a língua francesa, que isto de andar só a dizer oui's em Inglaterra é coisa pirosa...quase tanto como responder em Inglês aos argelinos.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Carros magnéticos

Na Argélia conduz-se em bando. Acho que a malta aqui aprendeu a conduzir com os pássaros, ou seja, assim muito juntos uns dos outros, e com alguns toques pelo meio.

Nos últimos dias, os nossos carros e camiões têm sofrido de um qualquer problema de inversão magnética ou qualquer coisa do género, pois todos os dias tem havido beijinhos no trânsito. Literalmente todos os dias. 

Hoje foi a minha vez: numa daquelas de passa não-passa, decidi-me pelo "não-passas" e um argelino lá ganhou um restyling gratuito no seu carrito.
A minha 4x4 não teve rigorosamente nada, ou então não consegui encontrar uma nova mossa entre as tantas que já tem, já que nem sequer me dei ao trabalho de sair do carro para ver o que tinha. A ter feito mossa, foi a minha estreia em amassos com culpa, e mesmo assim tenho dúvidas que ir na minha faixa e ser apertado pelos 2 lados

À melhor maneira argelina ele refilou comigo em árabe e eu mandei-o para o carvalho em bom português. Em Francês combinámos encontrar-nos para tratar do assunto, mas o homem não apareceu... Lá deu sinais de vida à hora de almoço, e fomos tratar das coisas. Como não estamos para perder tempo com seguros e outras palhaçadas, lá lhe indicámos um pintor onde nós já vamos sendo clientes da casa, mas o homem quis arranjar o carro na oficina da marca e não lhe pusemos algum problema. Só não queria perder tempo a ir passear até oficinas. Quando lhe disse para trazer um orçamento à confiança, pegou nas coisas e foi embora. Já não queria o carro arranjado depois de tal gesto de honestidade...

Vá-se lá entender estes gajos...