segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Separados à nascença


É impressão minha ou o Earl e o Houari Boumediene partilham muitas semelhanças??? (se conseguirem mais uma vez ignorar o meu perfeito domínio do Paint)

O moço do karma toda a gente deve conhecer, o outro senhor tem o nome do aeroporto internacional de Argel, e diz que em tempos foi um presidente da Argélia, que era às direitas... Para os mais curiosos da história da Argélia, fica o link da wikipédia ;)

Taras e Manias

Finalmente ando ocupado!!! Ainda sem aquele burburinho de uma obra a todo o vapor, mas já se sente alguma coisa!

Já aqui disse, que quando tenho trabalho ando mais bem-disposto, e brotam de mim as melhores ideias que se possa imaginar. Ou talvez não...

Como também uma vez disse aqui, andava com vestígios de crise da meia idade, ou seja com ideias de comprar um descapotável; na altura esta ideia foi de logo abandonada, pois lembrei-me logo da falta de protecção capilar na zona frontal da cabeça. Na altura passou a ser um Coupé italiano, coisa que no meu pensamento significa "escola de mecânico" ou "amigo dos gajos dos reboques".

A ideia seguinte foi a mota! Óptima ideia, tirando 2 pequenos detalhes: não tenho carta (coisa que facilmente podia comprar aqui na Argélia, mas sem validade em Portugal) e o o facto das palavras "tambor", "corneta" e "mota" serem consideradas como um elemento divorciador lá por casa... Next!

Pelo meio veio a ideia de mais tatuagens e um piercing. De tinta por agora chega, e brincos eu proíbo-os nas obras (questões de segurança), logo a minha atitude normal no trabalho de "lead by example" ia pela pia abaixo...

E assim chega-se à última grande ideia que tive! A grosso modo, a ideia passa por um UMM e largar de vez as viagens com a Air Algerie. Isso mesmo! Passar a ir e vir para a Argélia de carro, ao volante de um UMM, que é um jipe sobejamente conhecido pelos seus elevados níveis de conforto e segurança... 

Para amadurecer... ;)

domingo, 23 de janeiro de 2011

Swing linguístico

Tudo o que é estrangeiro reclama sempre da dificuldade que é perceber e falar o Português. No entanto o pessoal com línguas efectivamente esquisitas, tipo malta de leste e neste caso os amigos argelinos, parecem ter uma facilidade extrema para aprender o Português. Já do contrário, não se pode dizer o mesmo: dos que cá andam, contam-se pelos dedos de uma mão, aqueles que se pode dizer que dominam o árabe. E eu não sou um deles. Tenho alguma facilidade com as línguas, mas para o árabe não engatilho mesmo esta, talvez um bocado de má-vontade, mas isto é mesmo difícil; tão difícil que nem os argelinos se entendem uns com os outros.

Mas pelo meio, claro que já se falam algumas coisas, um bocadinho acima dos mínimos olímpicos que podemos considerar como o "Bom dia!" e o "tudo bem?". E claro, ambiente de obras que se preze tem de ter palavrões pelo meio. Se ao principio os argelinos que trabalham conosco, viviam na fase do cristal e não diziam asneiras, e que se benziam sempre que alguém se distraia com um daqueles, agora vivem alegres e em paz no reino dos "F#$%-se" e dos "C&%*ª".

Portanto hoje em dia é normal, perfeitamente normal o argelino sair-se com uma em português e levar de troco um palavrão em árabe; mesmo os bons dias passaram a ser trocados pelo "bom dia"/"sbáarrer" por um "márica"(influência do acordo ortográfico)/"ataí".

Assim e fazendo um pouco de serviço público, aqui ficam algumas das mais bonitas palavras do dialecto árabe:

- Ataí: moço com uma sexualidade diferente. Esta pode muito bem ser rematada, com um "Ataí o meu sapato, sff!";

- Zbi: Coisinha dos meninos. Embora seja um nome porreiro para um cão:)

- Suá: Coisinha das meninas. Só descobrimos esta, depois de em português falarmos uns com os outros na sua qq coisa, e os argelinos encolherem-se.

- Nikzbi: quer dizer aquelas coisas que se penduram nas lapelas dos casacos;

- Nikamuc: Qualquer coisa do género tipos que ainda dormem com a mãe;

- Namam: A palavra que funciona como aliviador de dor em caso de, por exemplo uma martelada no dedo :)

É óbvio que desaconselho a utilização destas palavras fora de ambientes controlados, pois aqui são quase 2 anos de cativeiro e já vale tudo. Lá fora a história é outra ;)

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

On fire



Depois de na última semana se terem vivido em estado de sítio, contagiados pelos irmãos da Tunísia, aqui não foram tão longe e contentaram-se com a descida do preço do óleo e do açúcar... Por ora o Bouteflika safou-se ;)

Como a originalidade por aqui não é o forte deles, logo vão de copiar as novas tendências,. Então, a moda por cá agora, e depois de já estar démodé há uma data de anos, é imolar-se! Regam-se de gasolina (que por acaso só custa 22 cêntimos por litro) e dão fogo à peça...

É uma forma de protesto no mínimo estranha, pois se é para chamar a atenção de quem cá manda, acho que não está a resultar. Primos: se querem ser ouvidos larguem lá de se incendiarem e sejam civilizados; se acham que não se preocupam com vocês inteiros, acham que vai ser depois de mortos???

domingo, 16 de janeiro de 2011

Music



Só por que me apetece ;)

sábado, 8 de janeiro de 2011

São João... à moda da Argélia!

E há uns dias lá voltei eu esta esta pequena parte do paraíso chamada Argélia.

Indo de encontro às minhas ideias, os argelinos com tanta influência estrangeira, vão começando aos poucos a ter alguns hábitos(principalmente os maus) dos países ditos civilizados (podia falar de Portugal, mas estou chateado com esse país, e não sou mais amigo dele). Uma dessas influências é adoptar as festas dos países normais, tipo da Europa: para além do ano novo muçulmano, eles também celebram o réveillon. Nada de anormal até; claro que não espero que façam também feriado a dia 25 de Dezembro, e muito menos ter um feriado tipo Carnaval (ui, diversão, essa coisa do Demo).

Fiquei claro, surpreendido por terem começado a festejar o S. João. À moda da Argélia, claro. Fogueiras há com fartura, e nos sítios mais improváveis: postos de correios, bancos, carros e demais edifícios públicos. Outro sítio porreiro para saltar à fogueira é no meio da estrada...
Depois a diversão continua com aquela brincadeira conhecida no mundo árabe que é atirar pedras: policia e basicamente tudo o que mexe é alvo para levar uma pedra. Os martelinhos foram substituídos por cassetetes, mas só os policias é que podem brincar com eles.

Infelizmente não há fogo de artificio, pois pode atrapalhar com os helicópteros da Gendarmerie que sobrevoam a cidade. Sardinhas também nada, mas não é por falta delas que se deixa de fazer a festa ;)

A festa tem sido tão animada, que até na imprensa de Portugal, fazem referência a estes novos festejos populares...

Fora esta animação, diz que há por aí umas "pequenas" altercações da ordem (???) pública, por causa de uns aumentos nos preços dos bens essenciais. Como é hábito nestas situações, 90% de quem se manifesta não sabe mesmo os preços destes tais bens essenciais...

E se dúvidas há, vejam estes 2 vídeos, filmados na cidade onde estou, onde se vê que estes tipos são mesmo uns "party-animals" :D