sábado, 11 de junho de 2011

Sieg Heil


Uma das facetas mais ocultas, e parece que recentes, dos caros argelinos é a sua adoração pelo Adolfo. A lógica é simples de entender: se mata judeus, é cá da malta. Ainda pensei que gostavam dele, por ter sido o principal mentor da criação do VW Carocha, mas mais uma vez enganei-me...

É também mais uma evidência do atraso de 500 anos que estas cabeças levam, em relação ao mundo normal. É fácil encontrar um argelino com uma foto do Adolfo no telemóvel ou no perfil do FB. Às vezes gostava de ter um bocado mais de paciência para lhes tentar dar uns esclarecimentos sobre história, mas ia acabar por ser mais uma sessão de "lavar a cabeça a burros" (leia-se desperdiçar água e sabão).

Ainda assim, de vez em quando lá tento explicar-lhes que a ideia do rapaz era eliminar as raças inferiores, e que a fisionomia deles não encaixa em nada no padrão ariano, mas com pouco sucesso. Se calhar é a abordagem complicada. Depois tento fazer-lhes ver que a limpeza começou pelos judeus,  por razões económicas, mas sobretudo práticas: os judeus eram os que estavam ali mais à mão...

1 comentário:

reflexão disse...

A pessoa que fica pensando em uma raça superior ou inferior significa que não tem o que fazer. Pois, a vida tem tantos desafios e tanto para se conhecer e admirar que ficar perdendo tempo com este tipo de ideologia que é injustificável é lamentável. Talvez uma pessoa que adere a este tipo de pensamento, além de não procurar usar seu cérebro melhor, talvez tenha um problema sério de baixa estima. Não tem sentindo ficar defendendo uma raça superior ou inferior. O que tem sentido é promover a vida de todos independente aonde nasçam ou moram!